la-la-la

De vez em quando, lá voltamos nós à mesma: o Tangas é um blogue muito sério (ahahah), não é para deixarem aqui comentários ordinários, como o que alguém, com um IP do Instituto Ricardo Jorge, fez aqui, com grande abundância de palavrões e ofensas sexistas, insinuando que as lésbicas são todas feias (seguiu um email para o dito Instituto, com reparo sobre o IP e o possível abuso de algum funcionário/colaborador/palerma – receberam vocês uma resposta? pois eu também não…).

Ora, nem as lésbicas são feias só por serem lésbicas, nem o Tangas é um sítio (só) de lésbicas (só) feias. Pelo contrário, há aqui gente muito bonita. Por dentro e por fora. E quem é menos bonito para nós é, com certeza, mais bonito para outras e para outros. Portanto, comentários subjectivos quanto a qualidades discutíveis, pelas quais se caracterizam as lésbicas, são irrelevantes.

A gente explica estas coisas, mas isto é como a catequese: sempre a mesma coisa, repetida e repetida vezes sem conta ao longo dos anos. E adianta? Sim para alguns, para outros não. Sempre que querem xingar-nos, atiram-nos com estas imaturidades. Não lhes atiramos com beijos, porque se calhar são tão imaturos que nem sequer lavam a cara de manhã para tirar as ramelas, nem lavam os dentes, e a gente assim a malta do Tangas não atira beijos, nem que fosse de um palanque.

Outra confusão comum é a do Tangas ser assim chamado por causa daquelas peças de roupa interior que, se não existissem, também não faziam muita falta, uma vez que mais destapam do que tapam. Ora, o Tangas é o Tangas porque muito do que aqui se diz é léria, vantagem, tolice, brincadeira, pinderiquices e piroseiras de que nos lembramos na altura. Caca de boi, como diriam os ingleses, que como toda a gente sabe não têm uma queda natural para as línguas e por isso traduzem as Tangas como Strings (ver secção OMG, ou Tangas traduzido pela Google).

No meio disso (das tangas) vão-se fazendo coisas sérias, como os concursos de contos e as crónicas de gente talentosa como dona Pagu, que amanhã fecha um ciclo e reabre imediatamente para o ano, com outro. Julgavam que eu ia corrê-la daqui? Népias. A cronista está de pedra e cal aqui no Tangas, como se nascida e criada aqui mesmo. Temos dito.

Beijos e bom início de um novo ano. Vamos tanguear por aí.