Ah ah ah ah…sei muito bem que a esta hora, muito boas miúdas aqui do Tangas já estavam de olhos fixos no relógio a pensar “é hoje, é hoje que a Pagu falha uma crónica das sextas feiras”. Ledo engano!

O que aconteceu foi que estive numa verdadeira diáspora gastronómica, dividida entre recheios para perú, patês, tartes de manga, pavlovas, folhados de peixe e camarão, manteiga de tâmaras e noz….

Como devem calcular, perdi-me entre texturas e sabores, quentes e frios, doces e salgados, tal e qual me perco nas delícias do hamor renovado e saboroso que por vezes invade as nossas vidas.

Tinha imaginado uma crónica, sim, sim, ela está aqui na minha cabecinha, mas quando já tinha escrito metade, resolvi que hoje, estas linhas servem principalmente para vos desejar um ano novo muito feliz, que se renovem esperanças, desejos, sonhos e sobretudo muita vontade de lutar por eles e de os ver concretizados.

Já sabem que o meu lema é tentar, tentar sempre. Se resultar, maravilha. Se não formos capazes, ainda ainda podemos nos orgulhar de que tentámos e não cruzamos os braços ou deixamos que o tempo, ou os outros, decidissem por nós.

Para quem tem um grande hamor, renove-o todos os dias. Para quem anda à procura, permita-o sem reservas.

Em ambos os casos, feliz hamor novo!