All rights © Tangas Lésbicas

Há poucas coisas tão desconcertantes como um sábado de manhã, em que nos levantamos ligeiramente mais tarde, mas não o suficiente para não sentir o desconforto de um dia supostamente nosso. Temos tempo, mas nem sequer sabemos bem o que fazer com ele: limpar a casa, tomar o café fora, passear a pé junto à praia, ir às compras par ao shopping, ler o lesboróscopo? Nada parece  suficientemente digno para um sábado. E se parece, é logo tomado como obrigação e não uma oportunidade: tem de se arrumar a casa, tem de se fazer compras, tem de se passear para aproveitar o sol, tem de… Nunca estamos satisfeitas com nada, pois não? Onde estão as nossas princesas encantadas ao sábado? Acompanhadas por outras princesas? Ou ao nosso lado, mas é melhor nem olhar, depois dos copos de ontem? Ah… Nada é perfeito, sobretudo quando se passa a vida a sonhar com o que não se tem. O que há toma-se por garantido e não merece a nossa atenção. E quando damos por ela, passou o tempo e ao olhar para trás é que nos apercebemos que nem tudo eram rosas, mas havia imensa coisa boa. E aproveitámos? Não. Aprendemos a lição? Também não. Se vos deixarmos, vão continuar a fazer o mesmo, apesar de já terem menos tempo e de já terem constatado uns quantos factos. Por isso, antes que se arrependam, toca a pegar nos telefones e ligar para aquelas amigas de sempre, que nunca mais arranjámos tempo para ver. Toca a tomar café, a jantar, a conversar. Qualquer coisa que nos reaproxime das pessoas de que gostamos, mas de quem não usufruímos a companhia, porque andamos sempre ocupados com coisas que podemos adiar para prestar atenção às pessoas de quem gostamos. Certo?