All rights © Tangas Lésbicas

— Um postal para mim? Hoje?
— Quer que lho dê amanhã?
— Nada disso. Mas a menina não namora comigo…
— Isso não me impede de lhe desejar um dia feliz, com ou sem namorada.
— É uma romântica, apesar de se armar em ácida.
— Não se estique. Onde está o meu postal?
— Estava à espera que eu lhe oferecesse um postal? A sério?
— Na verdade, não estava. As pessoas que se acham muito românticas raramente têm um gesto romântico. Vivem do romantismo das outras, a quem chamam ácidas.
— Não é verdade.
— Não? Quantos postais já ofereceu na vida?
— Na verdade, recebi mais do que ofereci. Mas isso não quer dizer nada.
— Pois…
— Lembra-se daquela miúda deslumbrante com que nos cruzávamos sempre no café? Ofereci-lhe uma data de postais.
— Pudera… Ela não lhe ligava nenhuma!
— Safa, faz questão de ser desagradável.
— De forma alguma. Seria desagradável se lhe dissesse que a miúda deslumbrante me oferecia postais no dia das namoradas.
— Não posso crer…
— É verdade. A vida é feita de muitos postais desencontrados. Pergunto-me muitas vezes se os correios terão noção dos desencontros que ajudam a criar.
— Eu cá, pergunto-me é quantos postais terá a menina enviado hoje.
— Há-de ter muito que ver com isso.
— Não lhe sobrou nenhum?
— Porquê?
— Porque me lembrei agora que ainda vou a tempo de enviar uns quantos.
— Estão naquela prateleira, ali ao lado dos dicionários.
— Nesta caixa? Que pesada… Será que comprou os postais todos da cidade?
— Não. Não tenho tempo para isso.
— Mas para que raio precisa de tantos postais?
— Porque são como os preservativos, para estar sempre à mão e ceder às amigas em necessidade.
— Acaba de esmagar o resto do romantismo que havia em mim…
— Em si e na maior parte das pessoas. Os postais são um produto bem sucedido do marketing. Nós também o usamos por puro marketing: espalhamos os ditos por uma data de gente e depois esperamos a ver se alguém cai na esparrela.
— A menina hoje está insuportável.
— Diz-me isso há que séculos. Começo a suspeitar desse seu apego à má pessoa que há em mim.
— Não seja ridícula. A quem é que podemos enviar postais?
— Também se está a fazer à minha base de dados? Telemóvel ou computador?
— Estava a pensar numas amigas suas que vi no Facebook.
— E viva o Dia da Pesca de Namoradas…